A validade das cadeiras de automóvel

Sillas de coche - 2000s

Quando compra uma cadeira de automóvel para o seu filho, está à procura de um dispositivo que ofereça a máxima segurança no veículo. Mas às vezes guardamos para outra criança e reutilizamos anos mais tarde. É nesse momento que surge a pergunta de quando um sistema de retenção infantil expira e se continuará a oferecer a mesma capacidade de resposta em caso de impacto.

Em primeiro lugar, deve ser esclarecido que as cadeiras de automóvel na Europa não incluem uma data de expiração oficial, isso é marcado por homologação. Ou seja, é legal usá-lo desde que seu uso não seja proibido. E hoje em dia é possível usar cadeiras aprovadas sob os regulamentos ECE R44 / 03 (não recomendado), R44 / 04 ou R129.

Mas como dizemos em muitas ocasiões, ser legal não significa que seja seguro. Portanto, mais do que para a expiração das cadeiras, devemos nos perguntar o que poderíamos chamar de "consumo preferente", ou seja, o tempo recomendado para o seu uso.

A European Nursery Products Confederation (ENPC), que reúne aos principales fabricantes europeus de sistemas de retenção infantil, estabelece que a "vida útil" das cadeiras de automóvel , começaria a contar a partir do primeiro uso, da seguinte maneira:

  • 7 anos para os sistemas de retenção infantil (SRI) dos grupos 0/0+ e 1 (desde o nascimento até aos 18 kg), segundo a ECE R44, ou os seus equivalentes na R129.

  • 10 anos para os grupos 2/3 (15-36 kg) ou 1/2/3 (9-36 kg), ou os seus equivalentes na R129.


Marcas como a Britax Römer aderem a esta recomendação da ENPC, embora as suas cadeiras de automóvel usem materiais com estabilizadores UV de alta qualidade para prevenir os efeitos do envelhecimento.

Por quê definir uma vida útil de cadeiras de carro?


Existem certos fatores que levam a estabelecer uma "vida útil" neste tipo de produtos:



    • As normativas actualizam-se regularmente para integrar os últimos avances na segurança infantil.

    • Os produtos também evolucionam, adaptando-se a estas normativas e incorporando novas tecnologias e sistemas para oferecer a máxima segurança.

    • Os materiales plásticos sofrem uma degradação com o passar do tempo, que pode ser maior ou menor, dependendo da exposição à luz solar, mudanças de temperatura no interior do veículo, condições de armazenamento durante o período de tempo em que não foi utilizado, etc.

    • As partes funcionais das cadeiras podem não oferecer um ótimo desempenho devido ao desgaste ou exposição a fatores externos, como alimentos, bebidas ou produtos de limpeza abrasivos. Este é o caso, por exemplo, do arnês.

    • Quanto maior o ciclo de vida do produto, especialmente quando circulou entre diferentes usuários, mais incertas serão as condições. É possível que o dispositivo estejaincompleto, que venha sem o manual de instruções (pode acabar com uma instalação incorreta), ou que o modelo e as etiquetas de aprovação são ilegíveis, fazendo-nos acreditar erroneamente que a cadeira é adequada para a criança. Além disso, é bastante provável que o produto esteja descontinuado e que não haja mais peças de reposição disponíveis.




ATENÇÃO com os produtos de segunda mão!


É muito importante alertar sobre os riscos de comprar cadeiras de automóvel de segunda mão, especialmente quando não conhecemos o historial do dispositivo.

É possivel que essa cadeira tenha estado implicada nalgúm acidente, o que poderia comprometer a segurança da criança em caso de sofrer uma nova colisão. À simples vista pode parecer-nos que a cadeira está impecável, mas o impacto pode ter ocasionado microfisuras difíceis de detectar que modificam a capacidade de resposta em caso de acidente. De fato, marcas como a Britax Römer recomendam descartar a cadeira em caso de acidente com uma velocidade de impacto superior a 10 km/h.

Além disso, não sabemos qual o uso que o produto recebeu do proprietário anterior ou sob quais condições ele foi armazenado.
Por estas razões, o uso de uma cadeirinha de segunda mão cuja história é desconhecida, apesar de estar dentro do ciclo de “vida útil” recomendado pela ENPC, é fortemente desaconselhado.